Arquivo da tag: Casa

Um Novo Lar

Padrão


Primeiro dia na casa nova :3

Um dia, mudei de casa.

Não sei como aconteceu.

Parecia um dia normal. Tio Mushi me pegou na casa quebrada pra levar no veterionário (não gostava de ir porque lá sempre tinha um quatro-patas-que-late bem maior que eu…), onde ficaram me fuçando toda como fazem quando vou lá (duas-pernas mexeriqueiros…)

Acho que tudo isso me deixou muito cansada, porque me lembro do tio Mushi me colocando num negócio fundo e macio, onde estava tão quentinho e escuro que caí no sono… às vezes a gente dava um solavanco, às vezes eu escutava uns barulhos, mas apesar de não estar vendo a saída de onde me colocaram, eu sabia que estava bem porque o tio Mushi estava comigo, e eu sempre soube que estando com o tio Mushi, tudo ia ficar bem.

Mas quando saí de dentro do lugar quentinho, vou dizer que fiquei na dúvida, viu?

Quando acordei e me tiraram de lá, eu tava num lugar totalmente diferente de tudo que eu já tinha visto na vida! Não eram as ruas que eu conhecia, não tinha as mãos ou pés ou cheiros que eu conhecia — tudo tinha sumido e virado outra coisa!

Eu ainda tava tentando entender como a gente fecha o olho e acorda e está em outro lugar quando o tio Mushi me entregou pra uma duas-pernas desconhecida que nem o resto de tudo, como quem diz: “tó!” Ela me segurou direitinho, daquele jeito que a gente sente que não vão deixar a gente cair (e nem escapar…) Cravei as unhas nela, me segurando bem firme, porque eu não tava entendendo nada e só queria saber de olhar pra tudo que é canto.

Achei muito estranho aquilo tudo. Onde estavam minhas irmãs, minha mãe? Tinha muitos sons em volta, e barulho, e passavam uns coisos enormes de quatro-quase-pés, muito maiores que os humanos, que deslizavam e roncavam alto. E se me largassem sozinha naquele lugar que eu não conhecia? Fiquei agarrada na tia que me carregava, e tentei decorar tudo, mas tudo que podia, pro caso de saber onde me esconder se me deixassem ali.

Mas nada disso aconteceu (claro, né, senão como eu ia estar aqui contando tudo?) O tio Mushi e a amiga duas-pernas dele andaram, andaram, e me trouxeram até esse lugar novo, que eu não sabia ainda mas era onde eu ia morar dali pra frente.

É muito ruim ter que se mudar quando a gente tem quatro patas e mia. Isso porque nós somos muito ordeiros e gostamos de ter certeza de certas coisas — o que vai ter pra jantar, onde podemos tirar nossa sesta, que mãos mexem na gente. Quando nos mudamos, bagunça tudo! Nossa casa é o Aqui e os outros lugares são Lá. Aí de repente a gente se muda pra um Lá até que esse Lá vira Aqui e o que era Aqui vira Lá…

Tudo muito complicado e estressante!

A primeira coisa a fazer era reconhecer o território. Cheirar tudo, conhecer, tentar entender. De cara percebi um chão diferente, mais liso, e muito, muito mais coisas ao meu redor. Não estava mais numa casa quebrada — era uma casa inteira, inteirinha! Uma casa com coisas macias e outras altas, coisas arranháveis e escondíveis.

De repente me senti como o Laranjinha — em uma aventura, explorando o desconhecido!

Era tudo tão grande que às vezes enquanto eu explorava, eu me perdia. Nessas horas tinha medo de fazer que nem o Laranjinha e sumir também. Então miava, miava bem alto! Não demorava pro tio Mushi e a amiga dele aparecerem pra me resgatar. Foi aí que fui percebendo que ela era mesmo legal e se preocupava comigo.

Comecei a ver que esse lugar onde eu estava era cheio de brinquedo, comida e lugares quentinhos pra sentar e deitar. Nada mal!

Tinha um negócio bom demais pra enfiar as unhas.

Tinha coisas que rolavam e eram boas de perseguir, arranhar e morder. Eu nunca tinha perseguido, arranhado ou mordido nada tão macio a não ser meus irmãos.

Tinha uma caixa — não uma caixa qualquer, uma caixa do meu tamanho, com uma coisa fofa e gostosa chamada almofada dentro — onde dava certinho pra eu me deitar!

O tio Mushi e a tia amiga dele ficaram brincando muito tempo comigo, jogando coisas que pulavam e voavam e desciam e se escondiam e faziam cócegas. Estava tão divertido que nem percebi quando o tio Mushi foi embora.

Mas a amiga do tio Mushi ficou.

Ela falava boazinha comigo, me deu petiscos e me fez carinho. Além do mais, gostava de brincadeiras. Comecei a gostar muito dela!

Uma hora começou a bater o soninho, e como sempre, fui procurar minha mãe e minhas irmãs, pra gente dormir juntinho. Miei, procurei dentro das caixas, debaixo do sofá e atrás dos armários, mas não achei nada. Me lembrei do tio Mushi procurando o Laranjinha. A diferença é que não fui eu que me perdi — eu tinha era perdido minha família.

A tia de duas-pernas vinha sempre atrás de mim, passando a mão na minha cabeça, falando coisas que eu não entendia.

Me senti muito pequena e com um medo muito grande. Tão grande que eu corri pra caixa onde tinham coisas quentinhas, me encolhi toda e dormi de novo.

Achei que podia ser daquelas vezes que a gente dorme, acha que aconteceu um monte de coisas e quando abre os olhos de novo, era tudo de mentira.

Minha caixinha particular

Mais tade, acordei quando tudo estava escuro e em silêncio. Percebi que estava tudo igual, a mesma caixa, a mesma casa, os mesmos cheiros — era tudo verdade. E o pior, o desespero que eu que eu tava pra fazer xixi também! Eu tava muito apertada, mas muito mesmo! Mas como sou educada, me ensinaram que não devo fazer fora do lugar — e então, o que eu devia fazer? Eu até tinha uma ideia de onde era meu banheiro, mas o Medo voltou. Medo de sair pra procurar, me perder e nunca mais ser encontrada.

A tia de duas-pernas estava dormindo na almofada pro tamanho dela, e eu comecei a mexer nas coisas e fazer barulho até ela acordar. Fiquei muito feliz e até esqueci o Medo. Fiquei miando até ela me seguir. No final, o caminho que eu imaginava estava certo… Eu já tinha visto lá um outro tipo de caixa, cheio de uma areia que eu não conhecia. Eu sempre tinha feito xixi em jornal, mas aquela areia parecia muito boa também! Não tive dúvidas e mandei ver. E pelo alívio que vi na cara da tia de duas-pernas, pelo jeito tinha feito tudo direitinho!

Minha mãe e minhas irmãs não apareceram mais. Vai ver por isso, a tia passou o dia me dando muita atenção, comida e colo. Aos poucos, fui entendendo os caminhos da casa inteira, reconhecendo a voz da tia e gostando quando ela me pegava e a gente brincava. Não adiantava pensar muito — agora éramos só eu e ela.

Chegou a noite, eu fui pra caixa. Mas esperei a tia dormir pra então ir pra almofada dela. (Hi hi hi…)

Quando ela acordou, me achou toda enrolada, bem juntinho dela. Aí me abraçou. Ao nos encostarmos, podia sentir aquele mesmo tum-tum no peito dela que eu sentia quando estava com os outros quatro-pernas da família. O tum-tum que faz a gente ficar calmo e saber que está tudo bem. Então eu soube que ela não era minha tia, era minha outra mãe.

Minha mãe de duas-pernas me disse que hoje eu faço aniversário duplo — três meses de vida, e um mês desde que vim morar com ela.

Eu não sei se está certo, sempre tive dificuldade pra contar. Só sei que desde aquele dia, eu nunca mais dormi na caixa. Desde então, o Medo sumiu.

Desde então, sou feliz.